15 de julho de 2013

Categoria: Energia, Infraestrutura, Insights

Perspectivas para a energia nuclear no Brasil

Por Prospectiva Consultoria

A energia nuclear se apresenta como real alternativa para a composição futura da matriz energética do país. O Plano Nacional de Energia 2030, elaborado pela Empresa de Pesquisas Energéticas – EPE, prevê uma expansão de 4.000 – 8.000 MW em energia nuclear nos próximos 25 anos.

O potencial hídrico, em especial pelas grandes bacias amazônicas, parece próximo do limite a partir da exploração dos rios Tapajós e Teles Pires. Outras fontes renováveis (solar, eólica e biomassa) não oferecem quantidade suficiente para a demanda de carga prevista para o Brasil. A possibilidade de termelétricas a óleo ou gás natural é entendida como alternativa poluente.

Assim, a energia nuclear surge como opção, considerada fonte pouco poluidora. Além de Angra 3 (em construção), estão previstas dessa forma de 4 a 6 novas usinas nucleares. A região nordeste do país, em especial áreas próximas ao Vale do Rio São Francisco, é apontada como principal destino de ao menos duas usinas.

Estudo recente da Fundação Getúlio Vargas – FGV corroborou com a expectativa da EPE, e informa que novas tecnologias aumentaram a eficiência da geração nuclear, diminuindo o custo e o uso de combustível. A entidade ainda alerta para a necessidade de aprimoramento jurídico / institucional de modo a viabilizar a participação de investidores e empresas privadas nesses planos de aumento da geração nuclear.

Há que se considerar, porém, resistência por parte da sociedade no crescimento dessa fonte de energia, já que existem temores sobre a segurança operacional das usinas, além da questão do armazenamento do lixo atômico. Esse fator social pode atrasar o desenvolvimento da energia nuclear no país.

Compartilhar